PESQUISE AQUI








Pesquisa personalizada






29 de jul de 2010

AMOR EM PEDAÇOS

Tempo de Preparo: Até 2 horas

Serve: 6

Ingredientes para a massa:

3 xícaras de farinha de trigo;
1 xícara de açúcar;
1 colher(sopa) de fermento em pó;
1 xícara de manteiga;
3 ovos.

Para o recheio:

1 abacaxi em pedaços;
1 côco ralado;
4 ovos;
1 colher(sopa) de manteiga;
1 k de açúcar.

Recheio:

Misture todos os ingredientes. Leve ao fogo mexendo sempre.Quando aparecer o fundo da panela, retire e deixe esfriar antes de usar.

Massa:

Coloque a farinha, o fermento e o açúcar em uma tigela.Faça uma cova no meio e coloque os ovos e a manteiga.Misture bem.Abra a massa fina e forre um tabuleiro com ela. Espalhe o recheio e cubra novamente
com o restante da massa. Asse em forno regular. Depois de assado, corte e passe em açúcar refinado.

BOLO DE FUBÁ

Tempo de Preparo: Muito Rápido

Serve: 8

Ingredientes:

4 xícaras de leite;
3 ovos; 3 xícaras de açúcar;
1 meia xícara de fubá;
1 meia colher(sopa) de farinha de trigo;
1 colher(sopa) de pó Royal;
1 colher(sopa) de margarina;
meia xícara de queijo ralado.

Preparo:

Bater tudo no liquidificador e depois despejar em forma untada e polvilhada e assar em forno quente.

BISCOITINHOS AMANTEIGADOS

Tempo de Preparo: Muito Rápido

Serve: 60 unidades

Ingredientes:
Óleo para untar
150g ou 1 de xícara de chá de farinha de trigo
25g ou 3 colheres de sopa de fubá
50g ou 1/4 de xícara de chá de açúcar
110g ou 1/2 xícara de chá de manteiga
Açúcar para polvilhar (opcional)

Preparo:
Preaqueça o forno a 180 graus. Unte duas formas com um pouco de óleo. Coloque a farinha, o fubá e o açúcar em uma tigela. Corte a manteiga em pedaços e misture bem até formar uma massa grossa. Trabalhe bem essa massa até soltar das mãos. Em uma superfície lisa e limpa, polvilhe farinha de trigo e abra a massa com um rolo. Deixe-a com cerca de 5 milimetros de espessura. Corte a massa com cortadores de biscoitos em diversos formatos. Coloque com cuidado para não quebrar os biscoitos para assar. Passados 10-15 minutos (ou até que dourem) retire as formas do forno e deixe os biscoitos esfriarem. Polvilhe o açúcar se desejar com uma peneira. Sirva os biscoitos frios e guarde o restante em vasilha plástica por no máximo uma semana. Se quiser, pode congelar por até 3 meses.

BOLO DE CENOURA

Tempo de Preparo: Até 2 horas

Serve: 10 porções

Ingredientes:

3 cenouras grandes
2 xícaras de açúcar
2 xícaras de farinha de trigo
1 xícara de óleo
4 ovos
1 colher(sopa) de fermento em pó


Cobertura:
1/2 xícara de chá de leite
1 xícara de chá de achocolatado ou chocolate em pó
1/2 xícara de chá de açúcar
1 colher(sopa) de margarina


Preparo:

Bata no liquidificador as cenouras, o açúcar, o óleo e os ovos. Coloque a farinha e o fermento numa tigela e adicione o creme batido no liquidificador. Asse em forma untada e enfarinhada em forno médio por 40 minutos.


Cobertura

Coloque o leite, o achocolatado, o açúcar e a margarina numa panela, leve ao fogo e deixe apurar por 20 minutos ou mais, mexendo de vez em quando. Colocar depois de morno por cima do bolo.

BOLO DE CHOCOLATE

Tempo de Preparo: Até 2 horas

Serve: 8 porções grandes

Ingredientes
125 g de manteiga
1 tablete de chocolate amargo (200 g)
250 g de açúcar
100 g de farinha
1 colher (chá) de fermento em pó
6 ovos
1 colher (sopa) de manteiga

Preparo:
Tire duas barras do tablete e guarde-as. Derreta o restante do chocolate, juntamente com a manteiga, em banho-maria. Bata as gemas com o açúcar até obter uma mistura cremosa. Junte o chocolate e manteiga derretidos, a farinha (previamente misturada com o fermento) e as claras mexendo sempre. Coloque o preparado numa forma untada com manteiga e polvilhada com farinha e leve ao forno à 180 graus por cerca de 30 a 40 minutos. Prepare a cobertura derretendo o restante chocolate e a colher de manteiga em banho-maria. Uma vez o bolo cozido, deixe esfriar e cubra-o com este creme.

BOLINHO DE CHUVA

Tempo de Preparo: Até 2 horas

Serve: 6 porções

Ingredientes:
4 xícaras de farinha de trigo
1 xícara de açúcar
1 xícara de manteiga
4 ovos
1 colher de sopa de pó royal

Preparo:
Bata os ovos, o açúcar e a manteiga. Acrescente a farinha juntamente com o pó royal. Coloque colheradas rasas no óleo quente. Ao final, passe no açúcar com um pouco de canela misturada.

doce de banana

Tempo de Preparo: Muito Rápido

Serve: 10

Ingredientes:

10 bananas pratas bem maduras;
2 xícaras de açúcar;
1/2 colher (sopa) de suco de limão.

Preparo:

Descasque as bananas misture todos os ingredientes, leve ao fogo mexendo sempre, até soltar da panela e ficar com uma cor dourado escuro.

STROGONOFF SIMPLES

Tempo de Preparo: Muito Rápido

Serve: 4 pessoas

Ingredientes:

1 kg de filé mignon
3 colheres ( de sopa ) de manteiga ou de margarina
1 lata de creme de leite
1 colher ( de sopa ) de extrato de tomate
1 colher ( de chá ) de molho inglês

Sal e pimenta a gosto

Experimente um quadradinho e veja se a carne já está assada.
Misture o creme de leite, o extrato de tomate e o molho inglês.
Derrame em cima da carne e mexa. Junte sal e pimenta e experimente conforme sua preferência.
Aqueça e sirva.
Se quiser, junte 1 lata de cogumelos escorridos, junto com o creme de leite.

Modo de Preparo:

- Corte a carne em cubinhos, retirando a gordura.

- Aqueça a manteiga ou margarina. Junte a carne e deixe fritar bem.

- Geralmente a carne solta um pouco de água. Deixe que ele cozinhe nesta água e, se secar muito, junte um pouco de água quente.

Sirva com arroz branco e batata palha!

MOLHO BRANCO

Tempo de Preparo: Muito Rápido

Serve: 4

Ingredientes:

500 ml de leite
2 colheres maisena
1 colher margarina
1 lata de creme de leite
sal
noz moscada

Preparo:

Dissolva a maisena em um pouco dágua. Junte um uma panela o leite, a maisena dissolvida e a margarina. Mexa de vez em quando e fique de olho no ponto. Assim que der o ponto de creme, tempere com sal, nóz moscada e desligue o fogo. Acrescente o creme de leite e despeje em sua massa ou carne preferida.

Como Evitar o Desperdício

Como Evitar o Desperdício

COMPRAR BEM: preferir legumes, hortaliças e frutas da época.

CONSERVAR BEM: armazenar em locais limpos e em temperaturas adequadas a cada tipo de alimento.

PREPARAR BEM: lavar bem os alimentos, não retirar cascas grossas e preparar apenas a quantidade necessária para a refeição de sua família.



Aproveitar sobras e aparas, desde que mantidas em condições seguras até o preparo:

* Carne assada: croquete, omelete, tortas, recheios etc.;

* carne molda: croquete, recheio de panqueca e bolo salgado;

* Arroz: bolinho, arroz de forno, risotos;

* Macarrão: salada ou misturado com ovos batidos;

* Hortaliças: farofa, panquecas, sopas, purês;

* Peixes e frango: suflê, risoto, bolo salgado;

* Aparas de carne: molhos, sopas, croquetes e recheios;

* Feijão: tutu, fejtão tropeiro, virado e bolinhos;

* Pão: pudim, torradas, farinha de rosca, rabanada;

* Frutas maduras: doces, bolo, sucos, vitaminas, geléia;

* Leite talhado: doce de leite.




Alimentos que podem ser aproveitados integralmente:

* Folhas de: cenoura, beterraba, batata doce, nabo, couve-flor, abóbora, mostarda, hortelã e rabanete;

* Cascas de: batata inglesa, banana, tangerina, laranja, mamão, pepino, maçã, abacaxi, berinjela, beterraba, melão, maracujá, goiaba, manga, abóbora;

* Talos de: couve-flor, brócolis, beterraba;

* Entrecascas de melancia, maracujá;

* Sementes de: abóbora, melão, jaca;

* Nata;

* Pão amanhecido;

* Pés e pescoço de galinha;

* Tutano de boi.

Fonte: Mesa Brasil Sesc - Segurança Alimentar e Nutricional

Microondas

O que são Microondas?
São ondas eletromagnéticas, de alta freqüência, do mesmo tipo das ondas de rádio, só que muito curtas, chamadas de microondas. Elas não são fonte de calor, mas sim de energia. Sua utilização é muito grande e variada, como em transmissão de TV via satélite, radares, ligações internacionais e também na indústria.

2. Como agem nos alimentos?
Dentro do forno de microondas há uma válvula chamada Magnetron que converte a energia elétrica em microondas. A vibração dessas ondas de alta freqüência (2450 MHz) faz com que as moléculas dos alimentos vibrem a 2.450 milhões de vezes por segundo, causando atrito entre as moléculas dos
alimentos, atrito esse que gera calor e cozinha.

3. O forno de microondas é seguro?
O forno de microondas é absolutamente seguro. Foi desenvolvido de modo a não permitir que as microondas escapem nem prejudiquem a saúde.

Saiba porquê:
- O forno de microondas só funciona com a porta fechada e as travas de segurança acionadas.
- A porta acrílica transparente, possui uma tela metálica que impede qualquer escape de microondas.
- O interior do forno de microondas é revestido de metal que reflete as microondas conservando-as em seu interior.
- As microondas quando atingem os alimentos se transformam em calor e deixam de existir.
- O forno microondas desligado não emite microondas.

4. Cozimento no forno microondas
Teste do processo:
Num recipiente refratário coloque o alimento, leve ao forno microondas por 2 a 3 minutos, na potência máxima. Quando soar o alarme, retire o prato do forno com o auxílio de um protetor e observe que, até a altura do alimento, o recipiente está quente, e o resto, só levemente aquecido. Isto ocorre porque o recipiente é transparente ás microondas, e o alimento ao aquecer transfere parte do seu calor para o recipiente. O interior do forno está frio, só existindo o vapor desprendido do alimento.

5. Vantagens do Prato Giratório
Dentro do forno microondas a energia das microondas não é distribuída por igual. Algumas áreas ficam mais quentes do que outras e, consequentemente, o alimento não cozinha uniformemente. O prato giratório mantém o alimento girando constantemente para que o cozimento seja uniforme. O sistema simplifica o processo de cozimento, especialmente para aqueles alimentos que necessitam ser trocados de lugar durante o preparo porque o faz automaticamente.

IMPORTANTE:
- O prato giratório faz parte do seu forno microondas, e não deve ser retirado.
- O prato giratório é aleatório, ele tanto gira para a esquerda como para a direita.
- O prato giratório é de vidro temperado e pode ser retirado para lavar.

Cozimento por microondas
O cozimento pelo processo de microondas é largamente utilizado e empregado em outros países, tendo chegado ao Brasil no final da década de 70. Sendo uma tecnologia relativamente recente ainda apresenta muitos preconceitos e até um certo desconhecimento por parte do consumidor quanto ao seu uso.

Cozinhar no forno microondas apresenta várias vantagens:
- limpeza: os alimentos podem ser preparados e servidos no mesmo recipiente;
- aroma: pode-se sentir o aroma dos alimentos sem o incômodo da fumaça;
- valor nutritivo: sendo o cozimento rápido, em recipiente tampado e com pequeno acréscimo de água, a retenção dos nutrientes é quase total;
- rapidez para preparar toda uma refeição em pouco tempo;
- qualquer membro da família pode-se tornar um emérito cozinheiro;
- as crianças podem manusear o forno microondas sem perigo de se queimarem;
- o descongelamento das carnes é perfeito sem perda das suas proteínas.

Relacionamos a seguir algumas dúvidas mais constantes:

- O alumínio pode ou não pode ser utilizado no forno microondas?
O alumínio não é transparente ás microondas de modo que o alimento dentro das bandejas ou pratos de alumínio só recebem energia das microondas através de sua superfície. As bandejas podem ser utilizadas com a recomendação que sejam baixas, (até 3,5cm de altura) e que estejam completas até as bordas. Inclusive o papel alumínio pode ser usado, convenientemente, para proteger algumas áreas dos alimentos a fim de que não passem do ponto de cozimento. Não os deixe encostar nas paredes metálicas do forno microondas, porque poderá ocorrer faiscamento.

- As microondas cozinham de dentro para fora?
As microondas penetram nos alimentos de 2,5 a 5 cm de profundidade de fora para dentro. Alimentos pequenos recebem as microondas por todos os lados, havendo uma concentração maior de calor no centro. Por conseguinte, alguns alimentos ficam mais cozidos internamente. Nos alimentos maiores as microondas cozinham a parte externa e depois por condução o calor chega ao centro, como no cozimento convencional.

- O ovo com casca pode ser cozido no forno microondas?
Não, porque está propenso a estourar devido a pressão que se forma dentro da casca.

- Frituras podem ser feitas no forno microondas?
Não, porque a temperatura do óleo não pode ser controlada. No entanto, pequena quantidade de óleo pode ser usada para refogar os temperos.

- Conservas podem ser preparadas no forno microondas?
Não, porque requerem temperaturas muito altas e tempo prolongado de cozimento.

- Alimentos cozidos no forno microondas não douram?
O dourado depende da quantidade de gordura e do tempo de cozimento, em relação ao tamanho do alimento. Alguns alimentos realmente douram, como o bacon, carnes e aves assadas. Outros douram menos, porque seu cozimento se dá tão rapidamente que não há tempo suficiente para dourar.

- Recipientes não aquecem no forno microondas?
Os recipientes certos não aquecem, mas se tornarão quentes pelo contato com o alimento. Quando o alimento é aquecido parte do seu calor é transferido para o recipiente, por isso mantenha suas luvas anti-térmicas a mão, perto do forno microondas.

PRINCÍPIOS BÁSICOS PARA O COZIMENTO

A velocidade e a uniformidade do cozimento dependem do alimento em si. As microondas penetram no alimento de 2,5 a 5 cm por toda a sua superfície (superior, inferior e lados). O interior dos alimentos com mais de 5 cm de espessura cozinha por condução de calor, como em um forno convencional. Conhecer os fatores que afetam o cozimento e como cada tipo de alimento
reage, ajuda-nos a obter melhores resultados no processo de cozimento por microondas.

Tamanho: Pedaços pequenos cozinham mais rapidamente, assim, corte os ingredientes em pedaços uniformes para acelerar o cozimento.

Temperatura inicial: Alimentos congelados ou refrigerados levam mais tempo para cozinhar do que aqueles conservados em temperatura ambiente.
Os tempos indicados nas receitas para microondas, a seguir, consideram o alimento na temperatura que são estocados: no armário, na geladeira ou no congelador. Programe o tempo especificado nas receitas, mas se for necessário, volte o alimento ao forno microondas e cozinhe por mais alguns
minutos, para chegar ao ponto de cozimento desejado.

Formato: Alimentos com formatos irregulares como os filés de peixe, peito ou coxa de frango demoram mais para cozinhar nas partes mais grossas. Para que o cozimento seja uniforme, coloque as partes mais finas voltadas para o centro do recipiente e as mais grossas para fora, onde haverá maior recepção de energia.

Quantidade: O tempo de cozimento no forno microondas está diretamente relacionado à quantidade de alimentos que será cozida. Assim, uma batata ou um simples pedaço de frango cozinham rapidamente. Mas, quando essa mesma energia tem que ser dividida numa quantidade maior de alimento, o cozimento é mais lento.

Gorduras e Ossos: Carnes gordurosas ou um assado coberto com uma fina camada de gordura cozinham rapidamente. Mas, se houver grande quantidade de gordura, ela derreterá e se concentrará no recipiente, atraindo energia para si, retardando o cozimento das carnes. Assim, se a gordura se acumular no recipiente, retire-a. Caso o alimento comece a ressecar durante o cozimento, regue-o. Osso no centro da carne não afeta o tempo de cozimento, mas na lateral atrai energia para as áreas próximas, antecipando o cozimento.

Teor de Umidade: As microondas são atraídas pela quantidade de umidade, açúcar ou gordura contidas nos alimentos. Assim sendo, alimentos com maior teor de umidade cozinham mais rapidamente do que os secos. Adicione um mínimo de água necessária para umedecer os alimentos, pois o excesso retardará o cozimento. Fure batatas, berinjelas, gemas de ovos e demais alimentos que tiverem peles ou membranas protetoras com palito, para permitir a saída dos vapores.

Densidade: A profundidade que as microondas penetram no alimento depende muito de sua densidade. Alimentos porosos como a carne moída e o purê de batatas, cozinham mais rapidamente do que os densos como bisteca de porco ou batata inteira.

TÉCNICAS DE COZIMENTO

As técnicas de cozimento usada no forno microondas são as mesmas utilizadas no cozimento convencional, mais a rapidez com que os alimentos cozinham é maior, portanto, o cozimento deve ser acompanhado de alguns cuidados.
O cozimento pelo processo de microondas pode ser efetuado mais rapidamente ou mais lentamente, dependendo da potência escolhida. A potência conjugada ao tempo de cozimento é que vai proporcionar um cozimento correto. Por exemplo: uma carne assada pode ser cozida em 15 minutos na potência máxima, se for preparada com uma carne macia como o filé mignon. Mas, se for
preparada uma carne mais dura como o lagarto, a potência indicada é a média e o tempo de preparo aumentará para 50 minutos. Abaixo fornecemos uma tabela das potências e as porcentagens de microondas que cada potência
opera. Lembramos que os fornos microondas operam com 700W de potência.

POTÊNCIA PORCENT. PREPARO

MÁXIMA 100% - aquecer bebidas, cozinhar verduras, bacon, peixes, frutas, carnes macias, cozinhar arroz

MÉDIA MÁXIMA 70% - assar pudim - assar bolo - descongelar pratos prontos

MÉDIA 50% - assar carnes duras - preparar pratos com ovos ou queijo - preparar cremes

MÉDIA MÍNIMA 30% - descongelar carnes cruas - cozinhar carnes duras - cozimento lento

MÍNIMA 10% - manter aquecidos os alimentos já preparados - levedar massa de pão - preparar iogurte

ATENÇÃO: Havendo flutuação na voltagem de sua rede elétrica, poderá haver alteração nos tempos de preparo estabelecidos nas receitas.
Voltagem mais baixa - o tempo de preparo será maior.
Voltagem mais alta - o tempo de preparo será menor. Portanto, em caso de dúvida, programe um tempo menor e, se necessário, volte ao forno microondas para completar o cozimento sem prejuízo do alimento que está sendo preparado.

Proteção
Proteja as partes dos alimentos que atraem mais energia das microondas, tais como as extremidades de uma carne assada, a coxa, as asas e o centro do peito das aves com tirinhas de papel alumínio. Os cantinhos das formas quadradas e retangulares também podem ser protegidos na primeira
metade do cozimento para não haver um super cozimento. Cobrir as carnes com molho também serve como proteção para não ultrapassar o ponto de cozimento.

Formato do recipiente
As formas redondas são recomendadas para uso em geral. As formas de anel são indicadas para o cozimento de bolos doces ou salgados, pois o alimento recebe energia de todos os lados: superior, inferior, laterais e centro. Evite os recipientes de paredes inclinadas, porque nas partes mais finas
pode haver um super cozimento, o mesmo acontecendo nos cantos das formas quadradas ou retangulares.

Profundidade dos Alimentos
A profundidade dos alimentos dentro do recipiente afetam tanto a rapidez quanto a uniformidade. Alimentos colocados em recipiente raso cozinham mais rapidamente do que a mesma quantidade colocada em recipiente fundo.

Coloração
Os molhos ou temperos normalmente usados para dar maior coloração não afetam a qualidade do alimento, mas realçam seu sabor e a cor. Pincele as carnes e as aves com caldo concentrado de carne ou galinha dissolvidos em água ou manteiga derretida, molho de soja, molho inglês, molho de
tomate, etc. Polvilhe os pratos salgados com páprica, colorau ou farinha de rosca torrada no final do cozimento. Decore os bolos e pães para ficarem mais apetitosos.

Rearranjar
Mude de lugar alguns tipos de alimentos, como por exemplo, um filé de peixe comprido de cima para baixo, bolinhos de carne da parte externa para a interna do recipiente.

Virar
Vire de lado os alimentos de tamanho médio, como coxa de frango ou hamburgers durante o cozimento para acelerar o preparo. Alimentos maiores como carne assada ou peru, devem ser viradas porque as áreas superiores recebem mais calor.

Mexer
Mexa os alimentos da borda para o centro do recipiente, uma ou duas vezes durante o cozimento, para unificar o calor. Assim, os alimentos terão cozimento uniforme e não há necessidade de mexer constantemente, como se faz no cozimento convencional.

Tempo de Espera
É uma técnica muito importante no processo de cozimento. A energia gerada pelas microondas fica no alimento e não no forno microondas, assim, os alimentos armazenam calor no seu interior e o cozimento continua mesmo após retirados do forno microondas e até com o forno desligado. Os assados, vegetais, e os bolos terminam o cozimento no tempo de espera uniformizando assim o cozimento, sem perigo de um super cozimento ou ressecamento.

Cozimento lento
O ciclo de potência mais baixos, média/média mínima ou mínima liga e desliga automaticamente, equilibrando o calor nos alimentos. Quando a energia é desligada, por condução, o calor se estende até as partes frias do alimento. Assim, faz com que os cremes mantenham a sua cremosidade e as carnes duras, com o cozimento lento, amoleçam.

Distribuição
Coloque espaçadamente porções de bolos de carne, batatas ou forminhas de bolo em círculo nas bordas do prato giratório. Para um aquecimento rápido, recipientes de faiança, porcelana ou cerâmica comum podem ser
usados.

Toalha de Papel
Coloque-a sobre pães, salgadinhos ou frango à milanesa para absorver o vapor que se forma entre o alimento e o recipiente, ou cubra os alimentos para evitar respingos. A toalha de papel é usada, sob o bacon, para absorver gordura, para envolver pães, para reter a umidade e também para cobrir os alimentos e evitar respingos. O papel/manteiga serve para cobrir os alimentos e reter o vapor. Pratos de papelão podem ser usados para aquecer rapidamente alguns salgadinhos.

Tampar
Tampe o recipiente com sua própria tampa ou improvise uma, coloque um prato para reter o vapor e apressar o cozimento. Se usar filme plástico, não o encoste no alimento, e deixe uma abertura para a saída do excesso de vapor.

UTENSÍLIOS PARA O FORNO MICROONDAS

Os recipientes recomendados para o cozimento no forno microondas devem ser transparentes às microondas, permitindo que elas atravessem o recipiente e cozinhem o alimento. Recipiente de vidro refratário são práticos e facilmente encontrados em grande diversidade de tamanhos e formatos. Use a jarra-medida para aquecer líquidos e a forma de anel para assar bolos,
assim poderá acompanhar o cozimento. Os recipientes com tampa são úteis porque retém o vapor. As cerâmicas refratárias podem ser usadas para o cozimento quanto para irem a mesa. Não são recomendados pratos com decoração metálica, dourada ou prateada, cristais finos, utensílios com alça colada ou cintas metálicas, porcelana fina ou plástico. Retire o conteúdo das latas e coloque num recipiente apropriado. A tampa metálica dos vidros deve ser retirada, Antes de adquirir os recipientes recomendados para cozimento no forno microondas, verifique o seu armário de cozinha, pois pode ser que já os tenha. Bandeja de alumínio pode ser usada para descongelar ou aquecer alimentos. Mantenha-as afastadas das paredes do forno para evitar faiscamento. Centralize-as no prato giratório, distante 3 cm de sua borda.
NOTA: O faiscamento ocorrerá quando algum metal ou papel/alumínio encostar nas paredes metálicas que revestem o forno microondas. Os recipientes plásticos recomendados para microondas são produzidos com matéria-prima
específica para resistirem a altas temperaturas. Verifique as instruções do fabricante. Sacos plásticos, use somente os especiais para forno microondas. Siga as instruções do fabricante para os tipos de alimentos que podem ser usados.

DESCONGELAMENTO DOS ALIMENTOS

Carnes cruas
Descongelar alimentos, especialmente carnes cruas, no forno microondas não é somente mais rápido do que outros processos, mas também apresenta melhores resultados. Quando a carne descongela corretamente, ela não perde seu suco natural que contém proteínas e outros valores nutritivos. Com o forno microondas você pode descongelar a cerne momentos antes de cozinhá-la, para que fique mais suculenta e preserve suas propriedades nutrientes.
Acompanhe o descongelamento e separe as porções já descongeladas. Volte os pedaços ainda congelados ao forno para completar o descongelamento.
Descongele as carnes e as aves somente até que um palito possa ser inserido no seu interior. O alimento deverá estar internamente frio, mas sem gelo. Cozinhe-o em seguida ou guarde-o na geladeira. Na potência média mínima (descongelar) a porcentagem de microondas que o forno opera é de 30%,
e tem a rapidez necessária para o descongelamento. Em caso de pressa, a potência média que opera com 50% da potência de microondas, pode ser usada encurtando-se em 1/3 o tempo de preparo, mas se necessita-se de maior cuidado para que o cozimento não se inicie antes do tempo desejado.
Vire os assados após decorridos 1/4 do tempo previsto para o descongelamento. Verifique se algumas partes já estão aquecidas e proteja-as com papel/alumínio. Na metade do tempo previsto para o descongelamento deixe 10 minutos no tempo de espera antes de dar seqüência e continuidade ao descongelamento e mais 20 minutos de espera no final. Os alimentos que já foram pré-cozidos ou totalmente cozidos (prato prontos) podem ser
descongelados rapidamente na potência média máxima. Mexa-os ou rearrange-os para que após descongelados o calor seja distribuído por igual. Observe as informações fornecidas no capítulo Técnicas de Cozimento.
Comece descongelando o peru com o peito para baixo. Vire-o após decorridos 1/4 do tempo reservado para o descongelamento. Proteja as partes já descongeladas ou aquecidas com papel/alumínio. Continue descongelando até que os miúdos possam ser retirados do seu interior.

REAQUECIMENTO

Alimentos reaquecidos no forno microondas parecerão recém-cozidos e não reaquecidos. Adapte a potência ao tipo de alimento. Uma sobra de vegetal poderá ser reaquecida na potência máxima, enquanto que uma lasanha, por conter queijo e não ser mexida, poderá ser reaquecida na potência média. As fatias finas de carne reaquecem melhor. Cubra-as com papel manteiga para conservar o calor e a umidade. Leve ao forno microondas por 45 segundos a 1 minuto na potência média, por porção. O café pode ser reaquecido na xícara por 30 segundos a 1 minuto, na potência média.

Vegetais e Ensopados: Tampe o recipiente. Mexa-o diversas vezes durante o aquecimento, especialmente se estiver gelado. Se o ensopado não puder ser mexido, reaqueça-o na potência média máxima, senão pode ser usada a potência máxima.

Pratos Prontos: Distribua as carnes ou vegetais com as partes mais grossas voltadas para a borda do prato. Coloque os alimentos mais sensíveis no centro do prato. Arrume uniformemente a quantidade de alimento para ficar nivelado. Cubra com papel/manteiga. Reaqueça até sentir a parte de baixo do prato aquecida no centro.

ALIMENTOS INDUSTRIALIZADOS

Com o forno microondas, alimentos industrializados podem ser preparados em muito menos tempo do que pelo processo convencional. Muitos já vêm com as instruções para o preparo no forno microondas impressos na própria embalagem. Refeições supergelados em bandejas de alumínio: retire a tampa protetora do prato de alumínio e centralize-a no prato giratório, distante das paredes para não haver faiscamento. O descongelamento poderá ser feito em qualquer uma das potências variáveis. Para os pratos prontos de massas como lasanha, canelone ou pizza - comece o descongelamento na potência máxima por 3 a 5 minutos, depois reduza para a potência média, e deixe mais alguns
minutos para aquecer, pois assim o queijo ficará gratinado ou derretido. Os pratos cremosos como strogonoff, peixe ensopado ou creme de milho, também podem obedecer esta mesma técnica. O tempo dependerá da quantidade. Dependendo do alimento, deixe de 5 a 15 minutos no tempo de espera antes de servir.

Enlatados: retire o conteúdo da lata e coloque no prato que será servido. Leve ao forno microondas por alguns minutos na potência máxima para aquecer.

TABELA PARA COZIMENTO DE ARROZ
O tempo de cozimento do arroz e a quantidade de água necessária estão ligados ao tipo de arroz. Siga a tabela básica, ou prepare da maneira tradicional, refogando previamente o arroz com os temperos. Cozinhe em recipiente semi-tampado e bem fundo, porque a água pode transbordar
durante o cozimento. Primeiramente programe os minutos da tabela na potência máxima e depois na potência média.

ARROZ  ÁGUA   COZIMENTO(min) COZIMENTO(min) TEMPO ESPERA
xícaras xícaras 1º passo 2º passo (minutos)
UMA DUAS Máxima - 7 Média - 5 A 8  5 A 10
UMA E MEIA TRÊS Máxima - 9 Média - 8 a 10 5 A 10
DUAS TRÊS E MEIA Máxima - 11 Média - 10 a 12 5 A 10
Nota: Logo que o forno microonda desligar, retire o arroz, afofe com um garfo e deixe tampado para terminar o processo de cozimento no tempo de espera.

congelamento é um eficiente sistema de conservação de alimentos,



O congelamento é um eficiente sistema de conservação de alimentos, retirando-lhes o calor até que a temperatura apropriada atinja seu interior. Para proporcionar tais condições de temperatura e merecer a designação de FREEZER, o congelador deve operar a -18 graus centígrados no mínimo. Uma vez congelado, o alimento se torna rígido. Nesse estágio, o desenvolvimento de micro-organismos e o conseqüente processo de deterioração são drasticamente retardados. O congelamento não altera as características dos alimentos ao natural ou já preparados, conservando seu sabor, coloração e propriedades nutritivas, desde que submetidos ao mesmo em boas condições e de acordo com as técnicas recomendadas.

As vantagens do congelamento são inúmeras e evidenciam-se na medida que o usuário se familiariza com o freezer:

CONFORTO
- com o uso do freezer, a tarefa diária de cozinhar se torna obsoleta - em 1 ou 2 dias é possível preparar um cardápio para semanas, do café matinal à refeições completas.
- as compras no supermercado e outros fornecedores se tornam muito menos freqüentes.
- os atropelos comuns aos dias de festas e recepção são eliminados através do preparo antecipado de doces, tortas, salgadinhos etc.
- visitas inesperadas não provocam atribulações quando se trata de servir um lanche ou refeição.

ECONOMIA
- cozinhar maiores quantidades de alimentos é outra das vantagens básicas do congelamento, acarretando menor consumo de gás - por exemplo: cozinhar 3 quilos de carne praticamente o mesmo tempo do que cozinhar 1 quilo.
- armazenar-se alimentos adquiridos a preços mais baixos no atacado, durante as safras ou em promoções especiais.
- o desperdício é virtualmente eliminado, pois os alimentos são congelados em porções e retirados do freezer na quantidade certa para cada ocasião.

SAÚDE
- a preparação antecipada de um extenso cardápio possibilita a variação diária de pratos, facilitando o balanceamento da alimentação.
- é possível consumir legumes, frutas e outros alimentos fora de sua época de safra, com sabor e propriedades nutritivas inalteradas.

INSTRUÇÕES GERAIS

I - PROCEDIMENTOS INICIAIS
Para colocar o freezer em funcionamento, siga as "instruções de instalação e ligação "contidas no MANUAL DE INSTRUÇÕES DO FREEZER.
Deixe-o ligado por 5 horas, totalmente vazio e com a porta fechada, antes de armazenar a primeira carga de alimentos. Leia o manual até o fim antes de preparar a primeira carga de alimentos; consulte-o sempre até adquirir prática. Se possível, faça um curso de congelamento - quanto mais se conhece sobre o freezer, mais benefícios se obtém com a sua utilização.

II - TÉCNICAS BÁSICAS DE CONGELAMENTO
Todo alimento a ser congelado deve ser fresco, limpo e de boa qualidade. O congelamento deve ser providenciado logo após a compra dos produtos.
Os alimentos que serão congelados prontos devem ser levemente temperados e cozidos apenas pelo tempo mínimo necessário - o congelamento tende a acentuar os temperos e amaciar os alimentos. Esfriar rapidamente os alimentos após o cozimento ou fervura é indispensável para a manutenção de suas propriedades. Para evitar a perda de umidade dos alimentos, é essencial que os mesmos sejam embalados com material à prova d'água; durante o empacotamento, os alimentos já embalados devem permanecer no refrigerador até que todos possam ser colocados de uma só vez no freezer. Os alimentos só devem ser retirados do freezer imediatamente antes de sua utilização, podendo ser consumidos até 24 horas após o descongelamento (frutos do mar até 12 horas). Uma vez descongelado, o alimento não pode voltar ao freezer, exceto no caso de um produto cru que venha a ser transformado em prato pronto.

III - A EMBALAGEM
A embalagem ideal é aquela que não permite que o alimento entre em contato com o ar frio e seco do freezer, evita a passagem de aroma, não se rasga facilmente, resiste à gordura, adere ao alimento antes do congelamento e solta-se com facilidade do produto congelado.

Para alimento sólidos, recomenda-se o uso de:

a) - Sacos de Polietileno Incolor (atóxico), novos ou isentos de resíduos. Após a colocação dos alimentos, o ar é retirado com o auxílio de um canudo ou mini-bomba especial, fechando-se a abertura com arame plastificado.

b) - Folhas de Alumínio, duplas e bem pressionadas, com a face mais brilhante em contato com o alimento.

c) - Recipientes Plásticos com Tampa, fechados com fita-crepe caso não proporcionam vedação hermética. Se o alimento não chegar ao nível da tampa, indroduz-se folha de alumínio, papel-manteiga ou plástico no espaço vazio,
para evitar a formação de cristais de gelo.

d) - Bandejas e Pratos Aluminizados, com tampa: agir de acordo com as instruções do item anterior; não havendo tampa, envolva a bandeja ou prato com alimento num saco plástico, extraia o ar e feche com arame plastificado.

e) - Plástico Aderente, vendido em rolos, bem pressionado sobre os alimentos para evitar bolhas de ar e vedado com fita-crepe.

f) - Potes e Travessas tipo Pirex, que também são muito práticos para congelamento, só devem ser levados ao forno para descongelamento quando este estiver frio; caso contrário ocorrerá choque térmico (trinca). Para não ficar com os recipientes tipo pirex retidos no congelador, basta revesti-los previamente com plástico e desenformar os  alimentos depois de congelados, levando-os novamente ao freezer devidamente acondicionados.

Para alimentos líquidos, aconselha-se:
- Potes de Vidro
- Recipientes Plásticos
- Formas de Gelo

Obs.: Como os líquidos se expandem no processo de congelamento, é necessário deixar uma margem de cerca de 2 cm da borda dos potes e recipientes.
Nota: As embalagens devem ser etiquetadas, constando as datas de preparo e validade para consumo, o tipo do alimento ou seu número (caso se utilize um índice).

IV - ARMAZENAMENTO
Desde a primeira carga de alimento a congelar, o armazenamento deve ser efetuado em lotes que não excedam 5% da capacidade do freezer e com intervalo de 12 a 24 horas entre um lote e outro. Um freezer de 280 litros, por exemplo, só deve receber 14 quilos de alimentos de cada vez. Os alimentos devem ir para o freezer já resfriados, sendo primeiramente colocados em contato com as placas frias, podendo ser empilhados depois de congelados. Ao recarregar o freezer, não encoste os alimentos frescos aos já congelados.
Registrar por escrito o estoque de alimentos, anotando as retiradas, e utilizar cada compartimento para um determinado tipo de produto facilita o controle de estoque e o manuseio dos alimentos.

V - PERÍODOS DE ESTOCAGEM
Ver nos capítulos específicos para cada tipo de alimento.

VI - O DESCONGELAMENTO
O descongelamento é o processo que devolve aos alimentos seu estado anterior, devendo transcorrer conforme as modalidades abaixo, sem a utilização de água diretamente sobre os mesmos:

a) - Descongelamento na temperatura ambiente, apropriado para tortas, bolos, doces e frutas, que devem descongelar ainda embalados.

b) - Descongelamento no refrigerador, para alimentos cujo descongelamento deve ser lento, tais como carnes cruas e queijos.

c) - Descongelamento no forno ou fogão, indicado para todos os pratos prontos (assados, ensopados, molhos etc).

VII - DEGELO E LIMPEZA DO FREEZER
Efetue o degelo e a limpeza do freezer de acordo com as indicações do MANUAL DE INSTRUÇÕES DO FREEZER.
Obs.: Abra o freezer somente quando necessário - isto evitará maior penetração do ar ambiente, cuja umidade condensada provoca acúmulo de gelo.

XIX - PREPARAÇÃO ESPECÍFICA DOS PRINCIPAIS PRATOS
- Tortas Salgadas - usar farinha de trigo em lugar da maizena para engrossar; deixar esfriar em temperatura ambiente antes de embalar; descongelar em temperatura ambiente ou no refrigerador; em caso de pressa, envolver em folha de alumínio e levar ao forno.
- Sopas - cozinhar primeiro a carne com os temperos, acrescentar os legumes e por último o macarrão, que deve ferver por 3 minutos no máximo; descongelar no refrigerador ou em panela de pressão com 5 colheres (sopa) de
água.
- Ensopados - usar farinha de trigo se desejar engrossar; descongelar como as sopas.
- Assados - resfriar antes de secar o molho e embalar o assado inteiro e o molho em potes, ou o assado fatiado junto com o molho; descongelar no forno, envolto em folha de alumínio. Obs.: as aves não devem ser congeladas com
recheio.
- Molhos - o ideal é preparar em grandes quantidades, embalando em potes com margem para expansão (não usar embalagens de alumínio); descongelar no refrigerador ou em panela de pressão para não secar.
- Strogonoff - refogar a carne com os temperos, sem colocar o creme de leite; resfriar e embalar; descongelar em panela de pressão com 5 colheres de água, adicionando o creme de leite quando estiver fervendo.
- Arroz - usar 1 xícara e meia de água para cada xícara de arroz, refogando com os temperos; resfriar e embalar em porções; descongelar em panela de banho-maria de forma que o vapor penetre no arroz.
- Purê de batatas - amassar a batata ainda quente e acrescentar a manteiga; resfriar e embalar; descongelar embalado em banho-maria, acrescentando em seguida o leite e o sal.
- Caldos - preparar os caldos concentrados, guardando em formas de gelo; depois de congelados, reembalar em saco plástico.
- Cuscuz - não usar ovos no preparo; embalar em recipientes plásticos rígidos; descongelar em panela de banhomaria, de forma que o vapor penetre; decorar depois de descongelado.
- Feijão - preparar normalmente, sem deixar que os grãos amoleçam muito; resfriar e embalar; descongelar colocando um pouco de água fria numa panela de pressão, abrindo quando formar pressão; ferver um pouco mais se desejar caldo mais espesso. Obs.: O mesmo procedimento se aplica à feijoada, lentilha, grão-de-bico etc.
- Panquecas - congelar recheadas e com molho ou só os discos, separados por folhas plásticas e embalados num saco plástico; descongelar as panquecas recheadas no forno, cobertas com folha de alumínio, e os discos em temperatura ambiente.
- Lasanhas - congelar prontas (substituir a maizena por trigo no molho branco) montando num pirex forrado com plástico levar ao freezer por 2 horas, desenformar e embalar em saco plástico (pode permanecer no pirex se não
houver necessidade de liberá-lo); descongelar no refrigerador ou em banho-maria, usando uma assadeira com água fria para não causar choque térmico; cobrir com folha de alumínio e levar ao forno.
- Caneloni, Ravioli e Capeleti - podem ser congelados prontos ou não; quando prontos, o procedimento é igual ao da lasanha.
- Suflê - pode ser congelado pronto, embora perca sua textura original ao ser descongelado.
- Bife à Milanesa pronto - fritar em óleo novo, resfriar e embalar em folha de alumínio ou papel aderente; descongelar no forno, inicialmente em temperatura baixa, aumentando após o descongelamento.
- Bife à Milanesa cru - embalar em folha de alumínio, guardando sem colocar um sobre o outro; descongelar no refrigerador ou fritando em bastante óleo, poucos de cada vez.
- Docinhos - brigadeiro, olho-de-sogra, beijinho, cajuzinho e outros devem ser congelados antes de embalar; descongelar em temperatura ambiente ou no refrigerador; doces caramelados não congelam, devendo receber o caramelo no dia em que serão consumidos.
- Sobremesas - musses, tortas (inclusive de ricota), quindim, papo-de-anjo, doces de frutas, pão-de-ló, bolachas, maria-mole e muitas outras sobremesas congelam perfeitamente.
- Tempo de conservação (pratos prontos, doces ou salgados): 3 meses.

XX - RECOMENDAÇÕES GERAIS
1 - a programação do cardápio facilita as compras e o preparo dos alimentos.
2 - utilizar sempre o que estiver congelado há mais tempo.
3 - não esquecer de etiquetar tudo, evitando a perda de alimentos por ultrapassar do limite de tempo de conservação.
4 - é conveniente ter sempre no freezer os temperos mais utilizados.
5 - para transportar alimentos congelados usa-se caixas de isopor com blocos de gelo, feitos em caixas plásticas e
embalados em sacos plásticos (colocar primeiro os alimentos, e em seguida os blocos).

XXI - ALIMENTOS QUE NÃO SÃO APROPRIADOS PARA CONGELAMENTO
- Maionese
- Saladas cruas
- Gelatinas
- Claras em neve ou cozidas
- Batatas cozidas
- Manjares
- Ovos cozidos
- Pudins cremosos
- Creme de Leite
- Curau

INSTRUÇÕES ESPECÍFICAS

I - CONGELAMENTO DE VEGETAIS
Os vegetais a congelar devem ser frescos e bem lavados, retirando-se as partes danificadas, permanecendo no refrigerador até a hora da preparação.
Fases da preparação:

a) Branquear (escaldar) os vegetais em 2,5 litros de água, mergulhando cerca de 300 g cada vez, com o auxílio de uma peneira. Os vegetais deverão ficar imersos na água fervente pelo tempo indicado na tabela adiante. A mesma água pode ser usada para até 8 porções do mesmo tipo de vegetal, aguardando-se levantar fervura antes de mergulhar nova porção (para vegetais diferentes é necessário trocar a água).

b) Resfriar os vegetais no mesmo espaço de tempo em que foram escaldados, também com o auxílio da peneira. Passar primeiramente os vegetais em água fria corrente e em seguida mergulhá-los em água com gelo.

c) Secar bem, embalar e etiquetar.
Tabela para Branquear e Resfriar Vegetais:

Vegetais - Minutos
Aipo - 4
Abóbora cortar em pedaços - 3
Abobrinha cortada em pedaços - 2
Acelga em folhas - 2
Acelga talos - 2
Alcachofra - branquear com água e limão - 8
Alho porró  - 4
Almeirão - 2
Aspargo - 4
Batata (congelar frita/refritar antes de servir)
Beterraba inteira, tamanho médio - 8
Berinjela (melhor como prato pronto) - 4
Brócolis deixar de molho 30 min., escaldar em água e sal - 4
Cenoura inteira - 5
Cenoura em rodelas - 3
Chicória - 2
Chuchu (melhor como prato pronto) - 2
Cogumelo deixar de molho em água, limão e sal por 5 min, escaldar e congelar com água - 3
Couve - 2
Couve-Flor (somente os buquês) - 3
Ervilha fresca em grãos - 2
Ervilha fresca em vagem - 3
Espinafre espremer para tirar toda a água; não usar a água do branqueamento - 2
Favas, somente os grãos - 4
Mandioca, limpar e cortar - 8
Mandioquinha - 5
Milho em espiga - 8
Milho em grãos - 3
Mostarda - 2
Nabo - 5
Palmito, branquear com água e limão - 5
Pimentão - 2
Quiabo inteiro - 3
Repolho - 2

Obs.: Tempo de conservação dos vegetais branqueados: 10 meses
Em pratos prontos, permanecem conservados por 3 meses.

II - DESCONGELAMENTO
Os vegetais branqueados amolecem no freezer, necessitando de cozimento mínimo, e seu congelamento pode ser efetuado de formas diferentes:

a) - Levar os vegetais ao fogo numa panela com água até ferver.

b) - Descongelar com o vapor em panela de banho-maria (cuscuzeira).

c) - Colocar os vegetais numa panela de pressão e acrescentar 3 colheres de água; depois que formar pressão, deixar por 2 minutos.

d) - Levar os vegetais ao fogo numa panela com água e temperos para refogar, deixando a panela tampada (fogo mínimo).

Temperos

Alho - descascar e colocar os dentes num pote rígido, cobertos com óleo; retirá-los conforme a necessidade, com o auxílio de uma colher.

Cebola - picada ou cortada em rodelas: proceder como no caso do alho; inteira: tirar a pele e colocar quantas quiser num saco plástico, extraindo o ar; ralar a cebola ainda congelada e guardar as restantes sem esquecer de extrair o ar.

Salsinha e demais temperos verdes - lavar, secar e guardar num recipiente plástico com tampa, compactando bem; retirar cada porção necessária raspando com uma colher; preencher o espaço entre o tempero e a tampa antes de guardar a quantidade não utilizada.
Obs.: Tempo de conservação do Alho, Cebola e Salsinha: 6 meses.

Tomate - maduros e firmes, cortados em pedaços; levar ao fogo ½ kg de cada vez, numa panela sem água, pressionando levemente com uma colher por 2 minutos; resfriar também por 2 minutos e bater no liqüidificador, passando em seguida por uma peneira; temperar cada litro do suco resultante com ½ colher (chá) de açúcar ou sal e congelar em formas de gelo ou potes (com espaço para dilatação). Tempo de conservação: 12 meses.

Sucos de vegetais crus - congelar em formas de gelo ou potes (com espaço para dilatação). Tempo de conservação: 4 meses.

Vegetais ao natural - podem ser congelados bem frescos sem branquear:
Couve-mineira, ervilha, mandioca (limpar, lavar, secar e embalar individualmente em papel aderente ou plástico), milho verde, pimentão (uso como tempero).

III - CONGELAMENTO DE FRUTAS
Com exceção da banana e da pêra d'água, todas as frutas podem ser congeladas inteiras ou cortadas, em forma de purê ou suco, devendo-se descascar e retirar os caroços imediatamente antes do congelamento, que apresenta 3 variantes:

a) - Ao natural

b) - Com açúcar - passar a fruta em açúcar ou bater no liqüidificador com açúcar.

c) - Em calda - ferver água e açúcar em quantidades iguais, deixar esfriar e cobrir as frutas até que fiquem totalmente imersas na calda; para frutas com tendência a escurecer pela oxidação, preparar a calda com ácido ascórbico na seguinte proporção:
- 1 xícara de água/1 xícara de açúcar/ ½ colher (chá) de ácido ascórbico (vitamina C concentrada).
Em ambos os casos, deixar margem de expansão ao embalar.
Preparação:
Abacate - bater com limão e açúcar no liqüidificador.
Abacaxi - cortar em fatias ou pedaços, congelar com açúcar ou em calda, ou ainda em forma de suco.
Ameixa - cortar ao meio e congelar em calda ou com açúcar.
Amora - não lavar, congelando ao natural, em calda ou com açúcar.
Cereja - lavar, secar e tirar os caroços, congelando em calda ou com açúcar.
Coco - ao natural, em pedaços ou ralado.
Figo - inteiro, em calda; servir antes de descongelar totalmente.
Goiaba - em calda, sem as sementes.
Jabuticaba - ao natural.
Laranja - em gomos, sem a pele branca e as sementes, em calda ou com açúcar; em forma de suco espremer levemente.
Limão - raspar a casca e guardar em vidrinhos para aproveitamento em bolos; congelar em forma de suco.
Maçã - de preferência para tortas ; descascar, cortar em fatias, retirar as sementes e mergulhar numa solução de água e
sal (2 litros de água e 1 colher (sopa) de sal) por 5 minutos; congelar em calda com ácido ascórbico.
Maracujá - bater ligeiramente e congelar o suco.
Manga - cortar em fatias e congelar em calda.
Melão - cortar e congelar em calda; servir ainda gelado.
Morango - com açúcar; congelar em aberto, embalando posteriormente.
Pêra - somente a do tipo caseiro, para doce; congelar em calda com ácido ascórbico.
Pêssego - descascar e tirar o caroço, congelando em calda com ácido ascórbico.
Uva - em forma de suco.
Pinhão - cozido e sem casca.
Castanha - cozida e sem casca, em forma de purê.
Oleaginosas (nozes, avelãs, amêndoas) - retirar a casca e congelar inteiras, ao natural; descongelar em temperatura
ambiente.
Sucos ou Chás - concentrados e congelados em formas de gelo.
Obs.: Tempo de conservação: 6 meses

IV - DESCONGELAMENTO
Em temperatura ambiente ou acelerado sob água corrente (na embalagem)

V - CONGELAMENTO DE CARNES
Todos os tipos de carnes podem ser congelados, bem como os miúdos e os derivados. A carne ideal para congelar é a fresca, embora não seja aconselhável congelar carne de animal recém-abatido, esta deverá permanecer de 24 a 48 horas no refrigerador antes de ir para o freezer. A carne que já tenha sido congelada crua, como a vendida nas épocas de entressafra, só pode ser recongelada sob forma de prato pronto. Não se deve lavar e temperar a carne a ser congelada; apenas tirar os ossos e o excesso de gordura. A embalagem ideal é o saco plástico ou de papel aderente, pois as folhas de alumínio são difíceis de soltar da carne congelada e também ocasionam ressecamento. A carne deve ser embalada sem ser dobrada, e em porções isoladas para cada refeição.

Preparação:

a) - Bifes e Hamburgers - congelar individualmente em forma de alumínio ou pirex forrada com plástico, colocando-os lado a lado; forrar novamente e colocar mais uma camada de bifes, cobrindo também com plástico; deixar no freezer por 2 horas e em seguida embalar todos juntos num saco plástico, retirando-os conforme a necessidade.

b) - Filé mignon, Fígado e Lombo de Porco - devem ser duplamente embalados.

c) - Demais carnes - embalar sempre hermeticamente.
Tempo de congelamento:
Carne bovina fresca - 12 meses
Miúdos de bovinos frescos - 3 meses
Carne bovina processada comercialmente - 2 meses
Carne moída - 3 meses
Hamburgers - 3 meses
Carne de porco fresca - 6 meses
Lingüiça e Salsicha - 2 meses
Bacon (tende a concentrar o sal) - 2 meses
Tender e Presunto - 4 meses
Carneiro e Coelho - 8 meses
Vitela - 4 meses
Caça - 12 meses

VI - DESCONGELAMENTO
O descongelamento ideal de carnes é efetuado no refrigerador, de um dia para o outro. Mas se não for possível utilizar este método, proceder conforme as instruções abaixo ( a carne não pode ser mergulhada em água ou lavada, pois perde suas propriedade):

Bifes e Hamburgers - podem ser fritos ainda congelados em fogo forte, numa frigideira com tampa, deixando-se uma abertura para não cozinhar.

Lagarto, Coxão mole e demais carnes p/assar - levar ao forno envolvida em folha de alumínio até descongelar parcialmente; temperar e levar novamente ao forno para terminar de descongelar e assar.

Coxão duro, Músculo e demais carnes p/sopa - coloque a carne congelada diretamente numa panela com água fria, tempere e deixe cozinhar.

Carne moída - havendo necessidade de refogar, coloca-se numa panela com os temperos, tampando após mexer com uma colher para não grudar (fogo mínimo).

Salsicha - colocar numa panela com água fria em fogo mínimo.

Lingüiça - descongelar numa panela com água e óleo; ao secar a água, automaticamente terá início a fritura.

VII - CONGELAMENTO DE AVES
Se a ave for abatida em casa ou no momento da compra, deverá permanecer por 6 horas no refrigerador antes de ir para o freezer. No caso de ave já resfriada, isso se torna desnecessário. Para congelar uma ave inteira crua, é necessário passar manteiga em sua pele para evitar ressecamento. Os miúdos
devem ser retirados e embalados separadamente (preencher a cavidade com papel ou plástico). No caso de frango a passarinho ou em pedaços, o congelamento pode ser feito individualmente, como no caso dos bifes, em porções isoladas para cada refeição. O saco plástico é a embalagem mais prática para o congelamento de aves, cujos ossos podem escurecer durante o processo, fato que não interfere no sabor ou qualidade.

Tempo de conservação:
Frango - 9 meses
Peru - 8 meses
Pato - 4 meses
Codorna - 6 meses
Miúdos - 3 meses

VIII - DESCONGELAMENTO
O descongelamento ideal de aves é o efetuado no refrigerador. Mas se for necessário acelerá-lo, mergulha-se a embalagem num recipiente com água fria. Para caldos ou sopas, os pedaços podem ser colocados ainda congelados na
panela com água fria. Para assar, leve a ave envolvida em folha de alumínio ao forno, em baixa temperatura; temperar e levar ao forno novamente em alta temperatura.

IX - CONGELAMENTO DE PEIXES
Os peixes para congelamento devem ser bem frescos ou já resfriados (se descongelarem durante o transporte, só podem ser congelados sob a forma de pratos prontos). O bacalhau pode ser congelado cru, retirando-se inicialmente todo o sal. A embalagem ideal é o saco plástico ou papel aderente, podendo ser usado o processo de congelamento individual, como no caso dos bifes.
Tempo de conservação:
Peixe magro - 6 meses
Peixe gordo - 3 meses

X - DESCONGELAMENTO
Os peixes podem ser descongelados no refrigerador, sob água corrente (ainda embalados) ou no formo, se forem para assar (colocar rodelas de batata sob o peixe, para não grudar na assadeira).

XI - CONGELAMENTO DE CRUSTÁCEOS MOLUSCOS
Assim como os peixes, os crustácos ou moluscos omprados já congelados não podem voltar ao freezer crus e pois de perderem a temperatura ideal durante o transporte.

Preparação:

Camarão - pode ser congelado cru, sem a cabeça ou totalmente limpo, lavar bem e banhar numa solução 1 colher (chá) de sal para cada litro de água; para congelamento do camarão limpo cozido, deixar ferver por apenas 5 minutos,
resfriando em seguida ( o congelamento individual é o mais prático para camarão, permitindo retirar a quantia necessária para cada refeição).

Siris, Caranguejos e Lagostas - após a limpeza, lavar bem e escaldar por 15 minutos, resfriando rapidamente.

Ostras e Mariscos - congelar apenas se forem frescos, lavando bem e levando ao fogo com pouca água para que as conchas se abram; resfriar rapidamente e embalar (com ou sem as conchas).

Polvo - limpar, escaldar por 2 minutos e resfriar rapidamente.
Tempo de conservação: 6 meses

XII - DESCONGELAMENTO
Pode ser efetuado no refrigerador, diretamente no fogo, com molhos e refogados, ou na frigideira.

XIII - CONGELAMENTO DE OVOS

São 3 as modalidades de congelamento de ovos:

Ovo inteiro - retirar da casca e mexer sem formar bolhas, com um garfo, adicionando para cada ovo uma colher (café) de sal ou açúcar, conforme sua utilização posterior.

Gema - mexer levemente com um garfo, adicionando ½ colher (chá) de sal ou açúcar, conforme sua utilização posterior; levar ao freezer em formas de gelo e retirar os cubos congelados, embalando-os num saco plásico para voltar
ao freezer.

Clara - ao natural, utilizando o mesmo processo de armazenamento das gemas.
Obs.: As claras não podem ser guardadas no refrigerador, pois desenvolvem a salmonela.
Tempo de conservação: 6 meses

XIV - DESCONGELAMENTO
O descongelamento lento, em recipiente tampados no refrigerador, é o mais indicado; as claras podem ser batidas ainda geladas. Para orientação quanto à proporção a utilizar a seguinte tabela:
1 ovo inteiro eqüivale a 3 colheres de sopa.
1 gema eqüivale a 1 colher de sopa.
1 clara eqüivale a 2 colheres de sopa.}

XV - CONGELAMENTO DE LATICÍNIOS
É indispensável que os laticínios a congelar sejam de boa qualidade e que seu prazo de validade para consumo não esteja vencido.

Preparação:
Leite Homogeneizado - secar bem a embalagem e levar diretamente ao freezer (pode ser empilhado depois de congelar).

Leite fresco - ferver por 10 minutos e resfriar.

Manteiga ou Margarina - congelar na própria embalagem ou em sacos plásticos.

Queijo - com exceção do queijo fresco tipo minas e da ricota, que congelam apenas quando usados como ingredientes, os demais congelam perfeitamente em porções de 250 g; embalar duplamente, primeiro com papel aderente e em
seguida com folha de alumínio.

Queijo ralado - congelar em sacos plásticos ou potes (não gruda, mesmo congelados).

Sorvete - congelar em lata ou caixa, cobrindo as porções não consumidas com plástico ou celofane; não recongelar o que for derretido.

Tempo de conservação:
Leite - 4 meses
Manteiga - 6 meses
Queijo - 8 meses
Sorvete - 2 meses

XVI - DESCONGELAMENTO
Leite - pode ser descongelado no refrigerador ou em temperatura ambiente; em caso de pressa, colocar um pouco de leite frio numa panela e adicionar o leite congelado, deixando em fogo mínimo (se a gordura se separar, bater no
liqüidificador). Demais laticínios descongelamento ideal é no refrigerador.

XVII - CONGELAMENTO DE PÃES, BOLOS, TORTAS E SALGADOS
É possível congelar a massa ou os pães prontos (não amanhecidos), que readquirem suas características originais após o descongelamento.

Pão Francês - embalar em sacos plásticos, extraindo o ar; descongelar em temperatura ambiente ou no forno, envolto em folha de alumínio.

Pão de Forma - embalar em plástico, de preferência em porções individuais.

Pão Recheado - embalar em plástico ou folha de alumínio; descongelar no forno, envolvido em folha de alumínio (baixa temperatura até descongelar, aumentando em seguida).

Pão Doce - não deve ser congelado se tiver recheio de maizena.

Sonho - congelar sem recheio.

O congelamento de bolos apresenta bons resultados, recomendando-se preparar vários a cada fornada.

Bolo Simples - assar em formas aluminizadas pequenas ou em formas retangulares para cortar em pedaços; embalar frio em bandejas ou sacos plásticos; descongelar ainda embalados em temperatura ambiente ou no forno, por 15 minutos, envolto em folha de alumínio.

Bolo com Cobertura - depois de decorado, levar ao freezer sem embalagem; após 2 horas embalar em folha de alumínio ou saco plástico (tirar da embalagem antes de descongelar, para não danificar a decoração).

Torta - tanto a massa quanto a torta moldada sem assar podem ser congeladas, bem como a torta assada.

Torta Salgada - é mais prático congelar pronta, mas pode ir ao freezer crua; descongelamento em temperatura ambiente ou no refrigerador (pincelar a gema apenas no momento de ir ao forno).

Doces - não devem ser congelados se tiverem recheio de maizena ou cobertura de gelatina.

Pizzas - podem ser congeladas com todos os ingredientes ou só os discos, já assados e separados por plástico; quando já preparadas, com mussarela e recheios, levar ao freezer por 1 hora, antes de embalar individualmente.

Esfiha - congelar pronta, individualmente (como os bifes); descongelar no forno envolta em folha de alumínio.

Pastéis - preparar os pastéis com massa caseira ou pronta, levando ao freezer por 40 minutos; congelar individualmente e armazenar em saco plástico; retirar 30 minutos antes de fritar (ainda gelados) e usar bastante óleo, sem esquentar
muito, fritando um por vez.

Coxinhas - mesmo procedimento dos pastéis.

Croquetes - podem ser congelados fritos ou não; quando fritos, embalar em porções isoladas com papel aderente, saco plástico ou folha de alumínio; descongelar no forno; quando não estiverem fritos, proceder como no caso dos pastéis.

Quibes - congelar assado ou frito, embalado em papel alumínio, plástico ou papel aderente; descongelar no forno.

Sanduíches - evitar recheios de tomate cru, alface, pepino e ovo cozido, pois estes não congelam; embalar individualmente em plástico aderente ou folha de alumínio; descongelar em temperatura ambiente, com a embalagem.

Tempo de conservação:
Pão doce - 3 meses
Pão caseiro - 2 meses
Outros pães - 4 meses
Bolo simples - 8 meses
Bolo decorado - 4 meses
Torta crua - 6 meses
Pizza disco - 4 meses
Pizza preparada (mussarela) - 3 meses
Pizza preparada (atum, camarão, lingüiça) - 1 mês
Esfiha - 3 meses
Pastéis - 3 meses
Coxinhas - 3 meses
Croquetes - 3 meses
Quibes - 3 meses
Sanduíches - 1 mês

XVIII - CONGELAMENTO DE PRATOS PRONTOS
Descobrir as vantagens do congelamento de pratos prontos é uma experiência fascinante, levando uma nova dimensão de conforto para o lar. E para que sejam obtidos os melhores resultados com essa modalidade de congelamento, basta que sejam observados os seguintes critérios:}

1 - cozinhar os alimentos por menor espaço de tempo do que o convencional, pois o processo amacia os alimentos. Usar também menos sal e temperos, que são realçados durante o congelamento, assim como o próprio sabor do prato.

2 - quando um alimento estiver pronto, deve ser resfriado rapidamente mergulhando-se a panela em água com gelo. Isso interrompe o processo de cozimento e preserva os valores alimentícios e o sabor.

3 - usar embalagens pequenas, que possibilitam retirar do freezer a quantidade ideal para cada refeição. Assim são evitados os desperdícios, inclusive porque um prato descongelado não pode voltar ao freezer.

4 - os recipientes plásticos rígidos com tampa são os mais apropriados para os pratos prontos. É importante não deixar espaço entre o alimento e a tampa, bem como extrair todo o ar, etiquetar e levar ao refrigerador até que esfriem
completamente, para então iniciar o congelamento.

5 - o descongelamento ideal ; e o mais rápido: direto ao fogo ou ao forno.

6 - consumir o alimento até 24 horas após o descongelamento, exceto no caso de frutos do mar, que devem ser levados à mesa até 12 horas depois de congelados.

AÇÚCAR:

AÇÚCAR:
Esta substância doce, extraída de vegetais, como a cana de açúcar e a beterraba, considerado principal para a feitura de doces, era desconhecida pelos europeus até os fins da Idade Média, pois só conheciam o mel de abelhas para adoçar os seus alimentos. Aos árabes, deve-se o ensinamento aos europeus, o cultivo da cana, e a maneira de lhe extrair o açúcar. O processo de extrair o açúcar de beterraba, foi aperfeiçoada e descoberta pelo químico alemão, André Marggraf, em 1747, porém sua descoberta ficou ao esquecimento até que o bloqueio continental decretado pelo Imperador Napoleão Bonaparte, no ano de 1806, levou os europeus a se libertarem da cana de açúcar. Um quilo de açúcar, produz 3.900 calorias, justamente o necessário para que uma pessoa normal se desincumba, em 8 horas de atividade. No Brasil o maior produtor, é o Estado de São Paulo.

AMENDOIM:
O nome dessa planta leguminosa, vem do tupi-guarani, mandui ou mandubi. Contém grande dose de proteína, e é considerado um fator de riqueza nacional, pois dele se extrai o.6leo de amendoim, de primeira necessidade na culinária. No Brasil o maior produtor, é como o açúcar, o Estado de São Paulo, com mais de 95% da produção do Brasil.

AMORA:
Fruto da amoreira, serve para preparar deliciosos doces em caldas, xaropes etc. Quando elas estão frescas, são usadas como refrigerantes e aperitivos. A amora preta é originária da Pérsia, e suas folhas, consideradas, o melhor ambiente, para a criação do bicho da sêda.
ARENQUE:
Peixe do mar; a palavra vêm do francÊs haren, mAs é de origem germÂnica. e significa exército. este peixe, vive em cardumes, vivem nos mares do norte e báltico. Caminham em linha reta, para os lugares próximos das costas, onde querem desovar, .depositando seus ovos nas mais profundas rochas, onde não podem ser destruí(dos pelas redes dos pescadores. Só depois de dois anos, atinge e estado adulto, cujo tamanho é de 30 a 40 centímetros, de comprimento. È fonte de grande riqueza para diversos países; devendo a cidade de Amsterdam, a seu progresso a pesca do arenque.

ARROZ:
Planta gramínea, cereal alimentício muito apreciado. A palavra vêm do árabe al-ruz. Muito cultivado em terras úmidas, porém em climas quentes, é considerado. o alimento básico em diversos países, sobretudo na Asia, sendo também, um dos pratos fundamentais no Brasil. Pode-se afirmar, que metade da população do mundo depende do arroz, para a sua subsistência. 2.000 anos A.C., na China, já o arroz, era o símbolo da fartura. O maior produtor de arroz do Brasil é o Estado do Rio Grande do Sul.

ATUM:
Peixe da família dos escombrídeos, de carne muito saborosa. O atum, atinge de 3 a 4 metros de comprimento e até 600 quilos de peso. E pescado nos meses de Abril a Junho.

BACALHAU:
Peixe que não vive na superfície da água; tem o seu habitat, entre 100 e 500 metros de profundidade; vive espalhado nas costas da Groelândia, Tera Nova, Noruega, U.S.A., etc. Os maiores exemplares, atingem a 3 metros de comprimento, e pesam 100 quilos. A fêmea durante o ano, faz cerca de 12 posturas, pondo milhares de ovos de cada vez, medindo em regra 1 mm. de comprimento. A fêmea adulta, atinge a 80 centímetros, levando quatro anos para chegar a esse estado. Do bacalhau, se extrai o seu famoso óleo de fígado, riquíssimo em vitamina A, muito usada em medicina.

BANANA:
Fruto da bananeira. O Estado de São Paulo, é o maior produtor do Brasil, e o maior bananal do Brasil, floresce entre São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais, com mais de 50 milhões de bananeiras. A ilha de Bananal, apesar do nome, considerada a maior ilha fluvial do mundo, possui mesmo, é grande quantidade de babaçuais.

BANQUETE:
O maior banquete do mundo, foi o que Arkames, grande general da antiguidade, ofereceu aos seus soldados. Este grandioso banquete, durou, cerca de um ano. Os convidados se revesavam e as mesas permaneciam cobertas dos melhores manjares, dia e noite. Na Côrte de Ciro, rei da Persia, sua mesa era considerado um banquete permanente, pois ali almoçavam diáriamente mais de 15.000 pessoas.

BATATA:
A batata já era usada, pelos indígenas, antes da descoberta da América. A batata, chamada inglesa, apesar de seu nome, é originária da região andina, na América do Sul, entre as altitudes de 500 a 2000 metros, ideais para o seu desenvolvimento. O maior produtor de batata doce no Brasil é o Estado do Rio Grande do Sul.

BETERRABA:
Foi o químico alemão André Margraf, que no século XVIII, descobriu, que do vegetal beterraba, poderia se extrair açúcar. Porém, sua descoberta, ficou no esquecimento, até que, em 1806, o bloqueio, decretado por Napoleão Bonaperte, levou os povos da Europa a liberta-se da cana, incrementando-se o cultivo da beterraba. Na Europa, atualmente 90% do açúcar, é extraído deste vegetal. Até fins da Idade Média, só se conhecia o mel de abelhas, para adoçar es alimentos.

CACAU:
Fruto originário do Amazonas. Segundo os naturalistas, teve a sua cultura, iniciada em 1746, na Bahia, senda o primeiro plantador Antonio Dias Ribeiro, na Fazenda Cubículo. O maior produtor de Brasil, é a Bahia, 97% da produção é feita por aquele Estado. Só a cidade de Ilhéus, tem mais de 50.000.000 de pés de cacaueiros. Sua gordura, é empregada em farmácia, sob o nome de manteiga de cacau. De sua amêndoa do fruto, é que se faz o chocolate. Foi introduzida pelos índios, na América Central, e, posteriormente transplantada para a àsia e Africa, pelos portugueses e espanhóis.

CAFÉ:
A história do café, perde-se nos primórdios do tempo. Diz a história, que em Kaffa, na Africa, a mais de 300 anos A.C., um pastor, ficou admirado, observando a agitação nas suas ovelhas, quando comiam um pequeno fruto avermelhado. Colheu alguns daqueles frutos, e levou-os para um mosteiro. Neste mosteiro, havia por norma, um revezamento noturno. entre os monges, ao qual vários deles faltavam, por não poder controlar o sono. Crentes da história do pastor, decidirem aproveitar os frutos avermelhados como estimulantes; os resultados foram surpreendentes: não mais faltaram os monges a sua missão, dominados por uma insonia e vivacidade. Foi na cidade de Moca, na Arábia, que o café encontrou o seu clima ideal; deu-se tão bem naquela cidade que em todo o mundo, para se falar do café, adaptaram aquela denominação “moca”, lembrando assim a cidade de onde se acreditava ser originária. Certos estudiosos, afirmam, ser o café originário de Abissinia, outros de Pérsia. Cumpre frizar, que foi o naturalista sueco Karl Linen, que imaginando ser o café originário da Arábia, deu-lhe o nome da "Coffea Arábica". Da Arábia, o café foi para o Egito, isto no século XVI, onde após longas discussões, foi aprovado. Foi introduzido na Europa, em 1554, na Itália, logo após na Alemanha. A província do Pará, foi a primeira do Brasil, em que se cultivou o café, no ano de 1723, teriam sido trazidas por um desertor de Cyena na Guiana Francesa; porém o mais certo é que foram introduzidas, pelo sargento mór Francisco de Melo Palheta. E o Brasil o maior produtor de café do mundo, é o Paraná, e não São Paulo, que ocupa o primeiro lugar no país.

CAJÚ:
Os cajús, são apenas pedúnculos carnosos, e servem de pé ao fruto que é a castanha. É originário do Brasil, existindo em quantidade do Norte e Nordeste do Brasil. A árvore, atinge de 4 a 10 metros de altura, durante a sua existência média de 20 anos.
CAMARÃO:
Este crustáceo, vive não só no mar como na água doce. No norte, o camarão de água doce é conhecido como pitú. No Brasil, o maior núcleo de camarões, encontra-se ao longo do litoral Maranhense.

CARANGUEIJO:
Um dos mais curiosos crustáceos, que habita o oceano. Todo os anos, muda a sua carcassa, com sua incrível habilidade, faz entrar e sair as suas tenazes, das aberturas da couraça.

CARNEIRO:
Mamífero, quadrúpede, ruminante. Dizem que este animal antes do seu sacrifício, ajoelha-se e de seu olhos correm lágrimas.
CARPA:
Peixe, muito saboroso, cuja cerne é muito apreciada na  Asia e na América do Norte. A femea, pôe de uma só vez, milhares de ovos. O seu habitat preferido, é nas águas calmas. È originário da China, mais tarde se espalhando por toda a Europa. Eles são domesticáveis, e chegam a comer nas mãos de seus criadores.

CEBOLA:
Planta hortense bulbosa. O Rio Grande do Sul, é o maior produtor de cebolas de todo o país, com mais de 50% da produção.

CAVIAR:
A palavra é originária do turco, porém este apetitoso manjar é oriundo da Rússia e frequentemente usado nas mesas dos tzares. O mais afamado caviar do mundo, provem do esturjão do Rio Volga, na Rússia. - Esta espécie de peixe está em vias de desaparecer, em virtude da caça intensiva que lhe movem os interessados rio caviar. O esturjão atinge até 6 metros.

CEIA:
Antigamente a ceia, era um ato de grande significação, principalmente na Grécia; pois o ato contava com a presença de sacerdotes e sempre iniciava com um sacrifício. Tempos após, na própria Grécia, passou a ser a última refeição, as vezes, banquetes de pessoas íntimas do dono da casa. Foi porém em Roma, que as ceias, passaram a ser festas licenciosas. Afirmam que Nero, sentava-se à mesa, ao meio dia e lá ficava, até a meia-noite. Julio César, foi outro imperador romano, famoso pelas suas ceias, em praça pública. Os judeus costumavam, festejar um grande dia, com uma ceia comum. Foi em companhia de Jesus Cristo, que os Apóstolos fizeram, uma ceia de rito Judaico, que ficou conhecida corno a Ultima Ceia, porque esta refeição, foi realizada às vésperas da morte do senhor, e, nela instituída por Cristo, a Eucaristia. Esta última Ceia, foi muito bem pintada por Leonardo da Vinci, quadro' este, que se encontra atualmente, no Convento de Santa Maria-delia Grazie, em Milão, Itália. Antigamente, não se conheciam
os garfos, nem os guardanapos, tendo os comensais, que comer com os dedos. Após as refeições, limpavam os dedos, com pedaços de pão, ou lavavam-nos em ablutórios apropriados, hábito este que em refeições de etiqueta, usam-se lavandas finas.
CENOURA:
Segundo os botânicos, a cultura da cenoura, remonta a mais de 2.000 anos, pois desde os tempos de Jesus Cristo, já era muito conhecida. Em estado selvagem e em grande quantidade, se encontra na Àsia e na África. Uma das grandes curiosidades da cenoura, é que sendo ingerida em grande quantidade, tinge a pele de moreno, pigmentação que desaparece, desde que tais tubérculos sejam suprimidos da alimentação. O motivo dEste fenÔmeno é explicado pela matéria cromática que as cenouras possuem.
CHÁ:
O chá, propriamente dito, é o chá da índia ou o mate. é originário da ndia e da China. No século Xlll A.C., já era cultivado pelos chineses. Foi introduzido à Europa, pelos holandeses. A substância realmente de valor, desta bebida, é a cafeína, e esta é o melhor estimulante, descoberto até hoje, para o cérebro. O chá contém mais cafeína, que o próprio café.
CHOCOLATE:
O chocolate, teria aparecido pela primeira vez, num antigo acampamento de antigos mexicanos, nos fins do século XV, daí passou à Europa e, mais tarde, à América do Sul. O Imperador Montezuma do México, foi um dos maiores apreciadores desta bebida; afirmam, que ele mantinha diáriamente à mesa, 50 vasilhas de ouro para chocolate, e, mandava por à disposição de seus empregados, mais de 3.000 pequenos barris, cheios do saboroso preparado. Foi ele, quem tornou oficial o uso do chocolate, nas refeições dos nobres.
CHUCRUTE:
Repolho picado, cozido e fermentado com vários temperos. Apesar de ser o prato preferido pelos alemães, a palavra é francesa choucrout, que significa couve picada, couve fermentada. Na realidade esse alimento é feito mais comumente com repolho e não com couve. O chucrute é pernicioso à saúde. Dar-se-ia o contrário se o repolho, empregado no preparo do mesmo fosse crú, pois assim seriam conservadas e utilizadas as suas vitaminas. Os germens da fermentação do repolho, têm propriedades análogas às do bacilo búlgaro do leite.

ACIDOS:
(Manchas) Se qualquer ácido, como o sumo de limão ou vinagre, cair sobre o tecido, tirando-lhe a cor, use uma solução de amoníco na proporção de uma colher de sopa de amônia para três de água fria, e com uma esponja levemente embebida na solução; passe sobre a mancha e a cor voltará novamente.
ADSTRINGENTE:
(Econômico) O leite crú substitui qualquer adstringente. A melhor maneira de usá-la, consiste em deixar um pouco de leite crú no rosto, por alguns minutos; lavando depois com água fria.
ALABASTRO:
(Objetos de limpeza) È mais frequente os objetos de alabastro serem limpos com água e sabão. Apesar do cuidado que se poe neste tratamento, nem sempre satisfaz. Para que seja a contento, logo depois que os objetos foram lavados com água e sabão, passa-se por sobre eles uma camurça, com talco. Isto faz com que a limpeza seja mais completa e não arranha a superfície da peça.

ALUMÍNIO:
(Objetos) Os objetos de alumínio, enegrecidos pela ação do tempo, adquirem novamente cOr, quando submergidos em água que contenha alguns cristais de carbonatos de sódio.

ALUMÍNIO:
(Panelas) Desaparecem as manchas escuras em panelas de alumínio, fervendo nelas uma solução de cremor de tártaro, na medida de 2 colherinhas de cremar, para 1 quarto de litro de água. Essas manchas são provenientes de certos alimentos preparados nas panelas, os quais contém álcali.

AMONÍACO:
O amoníaco é também conhecido sob a denominação de alcali volátil. A boa dona de casa, deve colocá-lo entre os objetos de limpeza, como no armário de produtos de beleza ou no de medicamentos caseiros. As razões são as seguintes: mãos ásperas e rugosas, estragadas pelos trabalhos caseiros? Mergulhe-as em água morna, adicionada de amoníaco. Elas ficarão macias e bem limpas. Para limpar luvas e sapatoS de camurça, esfregue com um pano embebido em água e amoníaco, misturados em partes iguais. Pentes e escOvas molhados em amoníaco, ficarão limpos num instante, mas não se esqueça de untar os cabos ou molduras de madeira (das escovas) com vaselina. Amoníaco misturado com água, serve também para limpar golas de jaquetas de lã quando ensebadas ou sujas de pó de arroz. Roupas de linho ou algodão, ficarão alvas se adicionar amoníaco à primeira água de lavagem, nas proporção de 1 colher para 10 litros de água. Cobertas de cama e cobertores em geral podem ser tratados da seguinte maneira: passar o aspirador ou batê-los bem ao ar livre e a seguir avar com água morna, sabão e amoníaco, torcer ou espremer bem e por para secar ao sol. Ficarão como novos, desde que o tecdo possa ser lavado assim.

APARELHO ELÉTRICO:
Não toque simultâneamente numa torneira de água e num aparelho elétrico. Certifique-se os aparelhos (como fogão elétrico, máquina de lavar, etc.) não estão num lugar úmido, e se assim se encontrarem, se possuem uma boa e forte tomada, resguardada de qualquer contacto.

APARELHOS SANITARIOS:
Ficam perfeitamente limpos se esfregados com gasolina ou outro derivado de petróleo de que há muitos à venda na praça.
ARMARIOS EMBUTIDOS:
Para evitar umidade nos armários embutidos que ficam em face sul e não recebem sol, basta colocar no seu interior, um pirex com um pouco de cal viva, que absorverá toda urniçlade.
ARMARIOS ÚMIDOS:
Em certos lugares, os armários conservam tanta umidade que a roupa fácilmente se embolora. Para evitar isso, põe-se pedacinhos de cânfora nas prateleiras e gavetas.

ASSOALHO:
Contra as aberturas no assoalho: misturar serragem com cola de marcenaria, encher as aberturas com essa composição e depois passar cera e dar brilho.

BAIXELAS DE PRATA:
Baixelas e talheres de prata são perfeitamente limpos se forem colocados bem separados dentro de uma vasilha de alumfnio com água, onde dissolveu uma colherinha de sal e outra de soda. Logo que elas forem assim arrumadas, a vasilha é levada ao fogo, para que a água ferva.
BAMBÚS E VIME:
Para que o bambú e o vime não fiquem amarelados ao serem lavados, convém fazê-la com água quente e sal, secando-os depois com um pano.

BANHEIRA:
Para tirar manchas amareladas de banheiros ou de pias, esfregue sumo de limão e um pouco de gasolina.

BANHO DE SOL:
Consistem estes, em expor todo o corpo ou só uma parte, à ação dos raios solares entre as 10 e 17 horas, protegendo a cabeça e os olhos da ação direta daqueles. A duração, do "banho-solar", variável segundo a resistência do indivíduo, deve ser muito curta, ao princípio (3 a 5 minutos) e, depois, progressivamente, mais longa (15 minutos) até atingir uma hora.

BARALHO:
Cartas de baralho ficam limpas, se esfregadas com miolo de pão amanhecido. Mas, para uma limpeza perfeita, convém fazer o seguinte: passar algodão molhado em álcool ou gasolina pura, depois pôr as cartas dentro de um pano e passá-las a ferro e finalmente por um pouquinho de talco. Os baralhos. de celulóide ou matéria plástica, lavam-se com água e um pouco de sabão e enxugam-se numa toalha.

BATON:
Esfregar éter ou água oxigenada. Para tirar manchas de baton, empregar amoníaco e água misturados em partes iguais; se O tecido é albene, empregar amoníaco puro. Os vestidos de seda branca ou estamparia, se desbotam fácilmente, o que se verifica experimentando antes um retalho. Passá-los a ferro quando ainda estiverem úmidos.
CASPAS:
Para acabar com as caspas, friccione o couro cabeludo com um pedaço de pano embebido na seguinte mistura: "run”, 250 grs.; extrato de quina, 5 grs.; sabão verde, 60 grs.; tintura de cantáridas, 2 grs. e essência de bergamota, 1 gr.

MAQUILAGEM:
No inverno, a pintura do rosto pode ser um pouco mais carregada, no que se refere ao pó de arroz e à pintura dos olhos e dos lábios; o "rouge", porém, será mais suave, pois o frio acentua a coloração natural das faces. E se não encontrar pó de arroz na tonalidade que mais lhe assenta, experimente misturar duas ou três tonalidades diferentes até obter a que procura.

Conselhos: A harmonia da maquilagem depende em geral de pouca coisa, mas esta é primordial para as pessoas dotadas de bom gosto. Um pormenor de verdadeiro requinte, acerca do qual nunca nos cansamos de insistir, consiste em combinar o mais possível o rosa das faces, dos lábios e da unha. No entanto, o que se vê mais frequentemente é: faces em tom de cereja, lábios quase roxos e unhas em tom de laranja.

O que se deve fazer antes de procedê-la: Para que a maquilagem, se ajuste às condições da cútis, é preciso determinar préviamente se ela é seca ou gordurosa, para após escolher os produtos de toucador, que melhor se adaptem a ela, e proporcionar-lhe o efeito desejado. Em caso de dúvida, recorra à prova do papel de seda. Toma-se uma folha e passa-se pela manhã no rosto. Se ela não manchar, é porque a pele é seca; se acontece o inverso, convém adquirir loções e cremes adequados para pele gordurosa.

MAQUILAGEM RAPIDA:
Não há necessidade de usar sabão e água; pois a pele pode ficar úmida demais e o pó não aderir bem. Deve usar um óleo ou creme de limpeza, de consistência leve, espalhando-o rápida e ativamente, para trazer colorido à face. Essa limpeza deve incluir o pescoço e as orelhas. Um creme de massagem pesado não é próprio.

O creme é removido com lencinhos de papel e, em seguida, aplicado um tônico facial ou adstringente. O melhor meio de aplicá-lo, é usar um pouco de algodão, depois do que deve dar pancadinhas rápidas, para cima, a partir do pescoço. A pele tornará assim, um aspecto de pele sadia e bem tratada. Agora, está pronta para os cosméticos. O pó é aplicado levemente, e o excesso retirado com a escovinha. O rouge é aplicado alto na face, e esbatido para as sobrancelhas, a menos que vá usar sombra nas pálpebras.

Se vai empregar sombra, faça o seguinte: Aplique-a no canto interno do olho, siga para fora e pare na altura do fim das sombrancelhas. Esbata bem, de modo que a sombra fique uniforme nas pálpebras, mas um pouco mais escura junto dos cílios.

MASCARA

Máscara de leite: Pode ser feita com leite cru ou coalhada, e é muito benéfica para as peles ressecadas, vermelhas ou queimadas do sol. Acrescentando um pouco de suco de limão, seu efeito branqueador, será aumentado. Convém deixar que a nata se misture à máscara, pois a gordura do leite, é muito útil na conservação das peles secas.

Após meia hora, retirar com água morna e finalizar a limpeza do rosto com água fria, para fechar os póros.

MASCARAS DE BELEZA:
As máscaras de beleza, que se aplicam de preferência antes de deitar, requerem um preparo prévio da pele, sendo bastante útil, eliminar primeiro os vestígios de creme e de ‘pó, com o auxílio de uma boneca de algodão, embebido em água morna. A boa pele reflete sempre bom funcionamento das glândulas, boa digestão, circulação sanguínea equilibrada. Por isso, cumpre cuidar também da saúde, dando ao corpo oxigênio em quantidade suficiente, descanso adequado e exercício metódico.
MASSAGEM FACIAL:
O modo mais carreto de fazer a massagem com técnico epidérmico ou "cold-cream": com os cabelos suspensos, para não atrapalharem, mover levemente as pontas dos dedos sobre a pele, para cima e para os lados. Os movimentos básicos de de uma massagem facial, são do centro da testa para as têmporas,
e da base do queijo para cima e para os lados, até o cimo dos ossos da face.

NARIZ GORDUROSO:
Lavar o rosto, de quatro em quatro horas. Usar bastante sabonete e água e uma toalha felpuda ou escovinha para a pele, Enxaguar bem o rosto primeiro com água tépida, depois, com água fria. Por último, aplicar um adstringente. Sómente as partes gordurosas do rosto, devem ser ensaboadas várias vezes ao dia.

NARIZ VERMELHO:
Para evitar o nariz vermelho durante os dias frios, mantenha ativa a circulação sanguínea e use loções de água boricada, antes de sair.

OBESIDADE:
A fim de fugir à obesidade, que geralmente tem inicio depois dos trinta anos, a mulher precisa controlar sua alimentação, evitando os pratos gordurosos ou doces e farináceos em demasia, e executando com método, exercícios ginásticas que lhe permitam conservar a flexibilidade dos músculos e a esbeltez do talhe.

PELE:
Os fatores que ajudam a conservar a pele pm forma: para as moças, a limpeza perfeita e regular é o mais importante, com a remoção do pó e seus resíduos mais resistentes; para as senhoras entre 30 e 40 anos, o que mais interessa, é a massagem; para as mais idosas, o período de descanso com o creme de limpeza no rosto é o mais necessário.
 

Postagens populares

Minha lista de blogs

tang

Pesquisa personalizada
User-agent: Mediapartners-Google* Disallow:Abobora Doce Recheada Adimito Amendoas Bacalhoada Bolinho Caranguejo Bolinho Recheado Queijo Bolos Decorados Mecanico Calda Manjar Carne Receita Cerveja Creme De Maca Croqueta Frango Presunto Feito Cuscuz Marroquino Folhadinhos Rapidos Gelatina Abacaxi Hoteis Inquilinato Laranja Morangos Licor Ameixa Macas Glaceadas Massa Leitao Massas Yakisoba Menus Dia Namorados Microondas Pao Molho Requeijao Frango Molhos Especial Tender Muffins De Halloween Paelha Marisco Panquecas Ovos Pate De Caviar Pessego Receitas De Pimenta Limao Polpa Manga Receitas Castanhas Portuguesas Receitas Cheesecake Receitas Rapidas Natal Repolho Crespo Risotto Pato Saladas Vinaigrette Sobremesas De Copinhos Sopa Arroz Feijao Sopa Courgette Sorvetes De Damasco Souvlaki Spaghetti Receitas Tarte Espinafres Frango Tarte Fruta Natas Tomates Forno Video Racao Humana